Crivella decreta luto de três dias pela morte de Dona Ivone Lara

O Dia

17.04.2018

Cantora estava internada em estado grave desde a última sexta-feira. 'Morre o sorriso negro que tanta felicidade trouxe a gerações de brasileiros', disse o prefeito

Rio - O prefeito Marcelo Crivella decretou luto de três dias pela morte da cantora e compositora Dona Ivone Lara. A Dama do Samba, como era conhecida, estava internada em estado grave desde a última sexta, dia em que completou 97 anos, no CTI da Coordenação de Emergência Regional (CER), no Leblon, na Zona Sul da cidade. Segundo a empresária da sambista, ela morreu por insuficiência cardiorrespiratória.

Em nota, Crivella enalteceu a carreira da artista e disse que ela fortaleceu a luta das mulheres e dos negros. O prefeito também desejou força aos parentes e amigos da cantora. O velório de Dona Ivone Lara é realizado na quadra da escola de samba Império Serrano, em Madureira, na Zona Norte. O enterro vai acontecer no Cemitério de Inhaúma na tarde desta terça-feira, às 16h30.

"Morre o sorriso negro que tanta felicidade trouxe a gerações de brasileiros. Dona Ivone Lara cantou e tornou possíveis sonhos, engrandeceu lutas, transpôs preconceitos. Negro é raiz da liberdade, é inspiração e, hoje mais do que nunca, é luto. A tristeza rola nos olhos do nosso povo, mas também me vem a lembrança de uma guerreira, com talento infinito e vida plena. Peço a Deus que conforte a sua família, amigos e a todos os seus admiradores", disse o prefeito.

A Dona do Samba

Yvonne Lara da Costa nasceu em 13 de abril de 1921, em Botafogo, na Zona Sul. Ela se formou em Enfermagem, com especialização em terapia ocupacional, e chegou a trabalhar em hospitais psiquiátricos com a médica Nise da Silveira. Aposentou-se na profissão em 1977, quando passou a se dedicar inteiramente à carreira artística. Foi criada pelos tios, já que os pais morreram quando tinha 3 (pai) e 12 anos de idade (mãe).

Casou-se com Oscar Costa, presidente da escola de samba Prazer da Serrinha. Com ele, teve dois filhos, Alfredo e Odir. Foi na Prazer da Serrinha onde conheceu alguns compositores que viriam a ser seus parceiros musicais, como Mano Décio da Viola e Silas de Oliveira. Compôs o samba "Nasci Para Sofrer", que se tornou o hino da Império Serrano em 1947, escola onde desfilou na ala das baianas.

Em 2012, foi homenageada pela escola de coração, com o enredo "Dona Ivone Lara: O enredo do meu samba". Suas músicas foram gravadas por vários ícones da música brasileira, dentre eles, Clara Nunes, Roberto Ribeiro, Maria Bethânia, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Paula Toller, Paulinho da Viola, Beth Carvalho, Mariene de Castro, Roberta Sá, Marisa Monte e Dorina.